TotalEnergies Abre Site de Pellet de Madeira

Nos subúrbios de Rouen, a TotalEnergies está a inaugurar um local de carregamento e ensacamento de pellets de madeira.
TotalEnergies Granulés Bois_energynews

A TotalEnergies inaugurou na quinta-feira perto de Rouen um local de carregamento e ensacamento de pellets de madeira, um sector “sob pressão” no contexto da crise energética, observou um correspondente da AFP.

“Esta unidade pode processar 25.000 toneladas de pellets importados por ano. TotalEnergies investiu nele cerca de 1,5 milhões de euros”, explicou François Boussagol, Director Geral de Vendas da TotalEnergies Marketing France, durante uma visita de imprensa ao local situado em Grand-Couronne, nos arredores de Rouen.

TotalEnergies comercializa “cerca de 200.000 toneladas de pellets” em França, ou seja, uma quota de mercado de “cerca de 10% de pellets, ou seja, pellets de madeira destinados a caldeiras que funcionam com este combustível”, disse o Sr. Boussagol.

Este novo equipamento é “uma flexibilidade adicional essencial neste período de tensão da procura”, afirmou.

No final de Agosto, a Federação Francesa de Combustíveis e Combustíveis de Aquecimento (FF3C) ficou alarmada com uma procura “anormalmente elevada” de pellets em antecipação do Inverno, o que poderia levar a um “défice de abastecimento de 5 a 15%”.

“Não lhe chamaria uma escassez, mas sim uma tensão temporária no abastecimento”, continuou Boussagol, dizendo que este fenómeno se devia à “loucura por esta forma de energia” e à “crise na Ucrânia, que desestabiliza os produtores habituais”, Bielorrússia, Ucrânia e Rússia.

Com o preço dos pellets quase a duplicar de 2021 a 2022, para cerca de 600 euros/t de acordo com a TotalEnergies, o grupo quer “triplicar” as suas vendas “até 2030”.

Em Grand-Couronne, estes combustíveis são entregues a clientes privados e autoridades locais num raio de 200 km a partir de Rouen. Produzido no Norte da Europa, “os pellets importados provêm de florestas geridas de forma sustentável”, assegura a TotalEnergies.

Segundo o grupo, “as pelotas emitem 15 vezes menos CO2 do que o combustível doméstico”. Permite a utilização de resíduos de serração”.

Embora defendida como um meio de limitar as alterações climáticas, o aquecimento da madeira continua a ser uma fonte de poluição por partículas finas. Mas os modernos fogões de lenha ou de peletes emitem muito menos do que um fogo aberto, de acordo com a Ademe (Agência Francesa de Gestão do Ambiente e Energia).

Na Estónia, a florescente indústria de pellets de madeira está em debate, com os ambientalistas a temerem os efeitos do aumento do abate de árvores.

Articles qui pourraient vous intéresser