700.000 empregos graças às Energias Renováveis

No ano passado, apesar dos efeitos prolongados da COVID-19, as energias renováveis criaram 700.000 empregos.
énergies renouvelables emplois_energynews

O desenvolvimento das várias formas de energia renovável no mundo permitiu a criação de 700.000 empregos no ano passado, apesar dos “efeitos persistentes da Covid-19 e do aumento da crise energética”, anunciou quinta-feira a Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA).

No total, o número de empregos no sector global das energias renováveis (solar, eólica, hídrica, biocombustíveis, biogás, geotérmica) atingiu 12,7 milhões em 2021 em comparação com 7,28 milhões há dez anos (2012) e 12 milhões em 2020, dois terços dos quais na Ásia.

No total, só a China representa 42% dos empregos no sector, com a União Europeia e o Brasil a representarem cada um 10% e os Estados Unidos e a Índia 7%, disse Irena no seu relatório.

O principal sector de crescimento é o fotovoltaico, que emprega cerca de 4,3 milhões de pessoas em todo o mundo. Deste total, a China foi responsável por 40% dos novos projectos solares, seguida pelos EUA, Índia, Brasil e Alemanha.

Quase todos (96%) os fabricantes de semicondutores (wafers) permanecem sediados na China, onde beneficiam de um apoio governamental significativo, observa Irena.

O sector dos biocombustíveis emprega 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo, muitas delas em complexos agro-industriais, e o sector hidroeléctrico 2,35 milhões.

A energia eólica emprega um total de 1,37 milhões de pessoas, tanto no fabrico como no funcionamento de parques eólicos.

Aumentaram a capacidade de geração global em 93 GW no ano passado, diz o relatório, produzido em colaboração com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Neste sector, a China representa 48% do emprego total, e a Ásia 57%, seguida da Europa (25%) e dos Estados Unidos (16%). África e Oceânia são responsáveis por 2% dos empregos.

Por país, três países europeus estão no top 10, a Alemanha em segundo lugar atrás da China, a Dinamarca (7º), e o Reino Unido (8º). A Europa é líder na instalação de parques eólicos offshore, que requerem instalações mais complexas do que em terra, cabos submarinos.

A exploração de biomassa sólida emprega 716.000 pessoas, o biogás 307.000 e a geotermia 196.000.

Irena espera que o número de empregados no sector das energias renováveis continue a crescer, para um total de 38,2 milhões até 2030, à medida que aumentam os investimentos em eficiência energética, veículos eléctricos ou hidrogénio.

Articles qui pourraient vous intéresser